Perdida

São três horas da tarde de um domingo ensolarado, mas ainda não vi muito bem o sol, além de nos momentos em que saí para estender as roupas que bati. Três máquinas hoje, quatro ontem. É outono, dias de sol forte precisam ser bem utilizados. E, felicidade!, temos máquinas de lavar.

Fui dormir ontem à uma da manhã e acordei relativamente tarde, às sete e meia. Levantei assustada, entrei esbaforida na cozinha e só terminei o que havia planejado para ela às duas da tarde, mas me dei conta de que ainda não tinha conseguido tomar café da manhã.

Almocei.

Estou finalmente sentada e trabalho. Continuar lendo

g.

Hoje eu queria dormir, mas o que precisava mesmo era uma garrafa de vinho, ou meia garrafa bastava, bebendo em copo de boteco porque não tenho taça e, sentado no sofá do meu lado, em silêncio, só olhando junto pra garrafa, alguém que conseguisse entender do que eu tô falando sem que eu precisasse explicar, porque tá difícil juntar palavras que deem conta desse vazio sensação de derrota absoluta infinita irremediável.

“É como se a nossa opressão tivesse sido forjada em lava eras atrás e agora fosse granito, e cada mulher está enterrada dentro da rocha. Mulheres tentam sobreviver dentro da rocha, enterradas nela. Mulheres dizem, eu gosto dessa rocha, seu peso não é demais para mim. Mulheres defendem a rocha dizendo que ela as protege da chuva e do vento e do fogo. Mulheres dizem: tudo o que eu sempre conheci é essa rocha, o que há sem ela?

Para algumas mulheres, estar enterrada dentro da rocha é Continuar lendo